Páginas

terça-feira, 5 de maio de 2015

Conhece a Ti Mesmo

“O autoconhecimento nos leva a uma profunda viagem ao nosso interior, fazendo-nos compreender por que reagimos a uma determinada situação, tornando-nos capazes de fazer escolhas mais conscientes, e consequentemente nos revelando satisfação e sentido de vida cada vez mais significativo.”
Michel Angebert – filósofo e escritor francês

"Quem olha para fora, sonha e quem olha para dentro, acorda."
Carl G. Jung


Segundo a psicologia analítica criada por Jung, desde a mais tenra infância, somos obrigados a criar mecanismos para proteger nossa verdadeira essência. Vamos dessa forma adquirindo padrões socioculturais que quando são rígidos e inflexíveis bloqueiam nosso processo de desenvolvimento mental e emocional. Passamos por processos de aceitação na escola e nos círculos sociais durante a infância e adolescência. É o período em que popularmente se diz que o jovem está “procurando a sua tribo”.

A influência dos grupos, a família e a sociedade em que cada indivíduo vive atuam consideravelmente para a influência na formação dos seus conceitos e preconceitos. Muitas vezes a pessoa passa a escutar apenas o que os outros, a sociedade, a religião e os padrões estabelecidos de normalidade nos dizem para fazer, não dando ouvidos à nossa própria voz, a voz das nossas aspirações e desejos, os anseios do nosso Ser.

“Muitas pessoas com o passar dos anos perdem o contato com sua alma e nem sequer tem consciência dessa voz interior. Outros tentam silenciá-la a qualquer custo por conta das conveniências. Estão ainda iludidos e presos as pressões, imposições e medos impostos pela sociedade, pelas religiões que oprimem e muitas vezes por seu próprio ego: Mas o que vão pensar de mim se eu fizer isto?" – relata Suzana Lemos, coordenadora do grupo de estudo voltado para o autoconhecimento “Os prazeres e as dores da Alma” e completa lembrando uma frase do médium Allan Kardec: “Estude a si mesmo, observando que o autoconhecimento traz humildade e sem humildade é impossível ser feliz”.

“A verdade vos libertará...” escreveu o apóstolo João, o evangelista. Esse passou a ser um conceito de alto valor que foi sendo reafirmado ao longo da história muitas vezes, através do seu oposto – a mentira escraviza. A mentira aqui relacionada são os personagens criados para a aceitação dos outros, quando o “seu valor” está sempre na dependência do que dirão sobre você, não importando sua própria opinião e verdade. Esse é o caminho mais comum para todos os que abandonam os seus sonhos. Para desenvolver o autoconhecimento é preciso ter consciência de quem se é de verdade, avaliando os pontos positivos tanto quanto os negativos, tendo consciência e responsabilidade para entender que aquilo que você faz é um reflexo de quem você é.

Ao reconhecer seus pontos negativos, você terá condições para mudar um por um. Reconhecendo seus pontos positivos se sentirá mais confiante em sua capacidade de conseguir o que quer que deseje independente das críticas ou opiniões que terão sobre você, pois sabe ser capaz de conseguir tudo o que deseja.

“Amai ao próximo como a ti mesmo”

Uma das frases que sustenta a crença cristã é justamente uma máxima para a avaliação do autoconhecimento: “Amai ao próximo como a ti mesmo” – segundo esse fundamento fica claro que devemos amar, tratar e fazer ao outro exatamente o que desejamos que façam a nós mesmos. No entanto é difícil lidar com a incoerência dos nossos atos uma vez que desejamos respeito, mas desrespeitamos, desejamos compreensão, porém não compreendemos. Segundo o budismo o mundo é um reflexo de nós mesmos, assim sendo as pessoas refletem em seus atos a maneira como interagem com o seu mundo interior e fazem valer o dito popular: “Como ser amado se não se sabe amar?”

O autoconhecimento nos leva ao desenvolvimento da Consciência, transcendendo as “roupagens” e indo em direção a nossa verdadeira essência, numa caminhada que nos possibilita não somente a realização pessoal como profissional, revelando aspectos que despertam admiração real e verdadeira daqueles que nos cercam e influenciando outras pessoas na busca por suas próprias verdades. Mais importante que uma questão fundamental da filosofia, o autoconhecimento é um exercício que tem como objetivo revelar a natureza, a origem e os verdadeiros valores que formam cada um de nós, visando um melhor entendimento de nossas experiências e possibilitando assim uma vivência mais plena da vida e com os outros, uma aventura em busca de nós mesmos, uma viagem que, sem dúvida, exige muito mais coragem do que segurança.


Autoria: Luciana Machado, do site Plena Mulher

2 comentários:

✿ chica disse...

Muito boa essa mensagem.Sabedoria nela! bjs, linda semana,chica

Élys disse...

Como sempre uma bela mensagem encontramos por aqui.
Tenha um belo fim de semana.